Páginas

23 de jan de 2011

Uma vez, saí para brincar com meu brinquedo predileto, uma bonequinha de plástico da fada Sininho. Ela tinha uns cinco centímetros, um cabelo louro amarrado em um rabo-de-cavalo bem alto e as mãos na cintura com um ar confiante e desafiador que eu admirava. Acendi um fósforo e aproximei do rosto da Sininho para mostrar a ela como era. Ela parecia ainda mais bonita á luz da chama. Quando o fósforo apagou, acendi outro e, dessa vez, segurei bem perto do rosto dela. De repente, seus olhos se arregalaram, como sentindo medo. Percebi, horrorizada, que seu rosto estava começando a derreter. Apaguei o fósforo, mas era tarde demais. O narizinho antes perfeito da Sininho tinha desaparecido completamente, e os seus lábios vermelhos carnudos foram substituídos por uma beiçola feia e torta. Tentei remodelar o rosto como era antes, mas piorei as coisas ainda mais. Quase que imediatamente, o rosto esfriou e endureceu novamente. Coloquei-lhe umas gazes. Queria fazer um enxerto de pele na Sininho, mas teria que retalha-lá. Mesmo com a cara derretida, ela ainda era o meu brinquedo preferido.
                      (O CASTELO DE VIDRO - JEANNETTE WALLS)

Nenhum comentário:

Postar um comentário